O Lápis Azul da Nova Proibição

Apesar de décadas terem se passado desde o fim do Estado Novo, as marcas deixadas pelo Lápis Azul ainda podem ser sentidas no jornalismo do Alto-Minho. Embora não haja mais censores a riscar palavras com tinta, seja qual cor seja, a censura persiste das formas mais subtis e insidiosas. Os jornalistas enfrentam pressões e ameaças para não reportar certas histórias, não investigar certos assuntos e não criticar certos poderes estabelecidos.


Publicidade

Há momentos na história de um país que merecem ser lembrados não apenas como marcos temporais, mas como advertências vivas sobre os perigos do autoritarismo e da censura.

Um desses momentos sombrios na história de Portugal foi o período do Estado Novo, durante o qual a liberdade de expressão foi esmagada pela mão pesada da censura governamental, personificada pelo sinistro “Lápis Azul”. Embora muitos possam acreditar que essa era de censura ficou para trás, a verdade é que as suas sombras continuam a assombrar o jornalismo até hoje.

O Lápis Azul era o instrumento usado pelo regime do Estado Novo para censurar qualquer forma de expressão considerada subversiva ou contrária aos interesses do governo. Jornais, revistas, livros e até mesmo peças de teatro foram submetidos ao escrutínio minucioso dos censores, que riscavam com tinta azul qualquer palavra ou frase considerada inaceitável. Esta prática odiosa não só sufocava a liberdade de imprensa, mas também silenciava as vozes dissidentes e perpetuava a propaganda do regime.

Apesar de décadas terem se passado desde o fim do Estado Novo, as marcas deixadas pelo Lápis Azul ainda podem ser sentidas no jornalismo do Alto-Minho. Embora não haja mais censores a riscar palavras com tinta, seja qual cor seja, a censura persiste das formas mais subtis e insidiosas. Os jornalistas enfrentam pressões e ameaças para não reportar certas histórias, não investigar certos assuntos e não criticar certos poderes estabelecidos. O medo da retaliação e da perda de emprego muitas vezes leva à auto-censura, com jornalistas optando por evitar temas sensíveis ou críticas contundentes ao status quo.

Além disso, a concentração de propriedade dos meios de comunicação em poucas mãos tornou ainda mais fácil para os interesses corporativos e políticos exercerem influência sobre o conteúdo jornalístico. Os jornais e estações de rádio e televisão no Norte do país muitas vezes refletem os pontos de vista e interesses dos seus proprietários, em vez de fornecerem uma cobertura imparcial e objetiva dos eventos. Essa tendência é ainda mais preocupante ao considerar o papel vital que a imprensa livre desempenha numa sociedade democrática, atuando como um contrapeso ao poder e garantindo a prestação de contas dos governantes.

A censura não se limita à supressão direta da informação. Não. Ela também pode manifestar-se na forma de desinformação, manipulação da narrativa e ataques à credibilidade dos jornalistas. As fake news e as teorias da conspiração são frequentemente utilizadas como ferramentas para desacreditar reportagens incomodas e minar a confiança do público na imprensa. Essa erosão da confiança no jornalismo deixa o campo aberto para a propagação de narrativas distorcidas e interesses ocultos, minando assim os princípios fundamentais da democracia.

Diante dessas ameaças à liberdade de imprensa e à integridade do jornalismo aqui em Melgaço, é imperativo que os cidadãos estejam vigilantes e exijam transparência, responsabilidade e independência dos meios de comunicação. Os jornalistas devem resistir à pressão dos poderosos e continuar a fazer perguntas difíceis, investigar histórias controversas e relatar a verdade, não importa quão desconfortável ela possa ser. A sociedade civil também deve se mobilizar para apoiar o jornalismo independente e responsável, defendendo a liberdade de expressão como um direito fundamental de todos os cidadãos.

Em última análise, o legado do Lápis Azul serve como um lembrete sombrio dos perigos da censura e da necessidade contínua de lutar pela liberdade de imprensa e pela democracia. O jornalismo, em todo o país, deve resistir a qualquer tentativa de suprimir a verdade e defender o direito do público à informação livre e imparcial. Somente assim podemos garantir que as lições do passado não sejam esquecidas e que o futuro da nossa sociedade seja verdadeiramente livre e democrático.

A palavra só é verdadeira quando livre!

Fotografias da EXPOSIÇÃO “LIVROS CENSURADOS”, Mostra bibliográfica do Fundo Documental da Biblioteca Municipal de Melgaço, patente na Casa da Cultura.

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigo Anterior

“As Três…” na Pipa! Programa da Renascença vai transmitir a partir da pipa gigante da Festa do Alvarinho e do Fumeiro

Artigo Seguinte

Concurso do Fumeiro, Mel e Broa de Melgaço: Aveleira e Castro Laboreiro dividem titularidade nos produtos IGP

Pode também ler

Roypasa será a primeira grande empresa a instalar-se na Zona Empresarial de Alvaredo

A autarquia não avançou ainda quaisquer nomes das empresas que manifestaram interesse na instalação de unidades produtivas no parque empresarial de Melgaço, mas o jornal “A Voz de Melgaço” sabe que a empresa Roypasa, “referência na península ibérica” na produção de janelas em PVC e alumínio, instalada na Zona Industrial de Lagoa, em Cortes (Monção), já abordou os trabalhadores sobre condições de transferência do local de trabalho para Melgaço.
Avatar photo
Ler mais

Bombeiros de Melgaço: “Até 2017, as viaturas estavam todas ilegais”

“Sei que chocou alguns vereadores a proposta de formação de uma entidade privada aqui próxima, no valor de 15 mil euros, mas é preciso entrar em contacto com a realidade, entrar em simuladores com fogo real. Não é só esticar mangueiras na parada, ligar e regular uma agulheta. Há novas técnicas de combate, hoje em dia a maior parte dos incêndios urbanos não se apagam com muita água, é com pouca, tem é de ser bem aplicada”.
Avatar photo
Ler mais