Imóvel, mas nem tanto: Arquitecto belga queria comprar as casas da Alfândega de São Gregório para “desmontar e levar”

Avatar photo


Publicidade

David Barbeitos, presidente da Junta de Freguesia de Cristóval, em entrevista para a rubrica “Especial Freguesias” de Abril, conta-nos sobre a inusitada abordagem de um arquitecto que quis, “mais do que uma vez”, comprar o conjunto de imóveis da antiga Alfândega de São Gregório (Cristóval) para desmontar e levar. Conta ainda sobre algumas tentativas de “desvalorizar” o imóvel com vista a futura compra.

“Há uns anos veio um arquiteto belga que queria comprar isto, para desmontar e levar. Chegou a ir às Finanças. Tirou fotografias… Ainda estava eu aqui no café [hoje Café Coelho] e o homem apareceu aí mais do que uma vez, uma em noventa e tais e outra já nos anos dois mil, em 2005 ou 2006. Ainda isto estava bom, nessa altura”, conta.

O interesse deste património mantém-se e talvez a possível concessão venha a pôr termo a alegadas tentativas de desvalorização, para baixar pressupostos, segundo entendimento do autarca da freguesia.

“Uma noite estava dentro do carro, a fazer tempo, e vi um indivíduo, a picar, a tirar coisas dali [da camada de gesso sob o telhado e madeiras da cobertura, que sustentam as telhas), para que isto caísse. E é daqui. Queriam que isto caísse para comprar barato. A pessoa deve ter-se apercebido e fugiu”.

Sobre expectativas para um bom desfecho do concurso que termina em Junho, David Barbeitos diz que só acreditará na mudança “quando vir mexer a primeira pedra, ou o papel assinado”.

Texto na íntegra na edição impressa de 1 de Abril do jornal “A Voz de Melgaço”.

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigo Anterior

Alta Tensão: Veja por onde vai passar a linha na Freguesia de Penso

Artigo Seguinte

“Chama da Liberdade” percorre as freguesias de Melgaço

Pode também ler

Alvarinho: Paulo Cerdeira Rodrigues avança com aumento sobre mínimos a pagar (por quilo) para a colheita de 2023

O produtor e mentor dos vinhos QR quer somar mais ao “esforço” de 2022, no qual, “em vez de pagarmos a uva a 1 ou 1,05 euros o quilo, elevamos o preço para 1,25”. “Este ano estamos a pensar subir mais um pouco, para 1,50€. Será o nosso próximo mínimo e estamos dispostos a acompanhar o que aconteça na região”.
Avatar photo
Ler mais