Melgaço em Festa: Freguesias convocadas a participar em inédito Cortejo Histórico

Avatar photo
A curiosa novidade da edição de 2023 é o Cortejo Histórico, no dia 12 de agosto, que pretende retratar a ocupação humana do território, designadamente cinco épocas que deixaram marcas históricas e que representam as raízes culturais do concelho: o Paleolítico, a Idade do Bronze, a Antiguidade Clássica (Romanização), a Idade Medieval e a Idade Contemporânea.


Publicidade

Fim de semana ‘gigante’ de 11 a 13 de Agosto: Mercado Medieval, Dj Wilson Honrado, Toy, Cuca Roseta e espetáculo Piromusical

O programa das festas concelhias no âmbito do Melgaço em Festa, apresentado no dia 21 de Julho, na praça da República, mostrou os protagonistas dos vários pontos de animação a decorrer entre os dias 4 e 15 de Agosto marcaram presença e deram forma a um género de showreel do que aí vem.

O momento foi preenchido com performances dos grupos participantes do Dia do Brandeiro e da Festa C(r)asteja, com música ao vivo, concertinas, gaiteiros, exposição de produtos locais e a “visita” de personagens típicas do concelho e do Mercado Medieval.

“Houve uma aposta no reforço e na diversificação das atividades. Continuamos a apostar nos valores, costumes e cultura da nossa região, mas há também uma inovação, no sentido de termos um programa que seja para todos. Queremos chegar a todas as faixas etárias e a todos os interesses culturais. Espero que todos possam desfrutar daquilo que é a nossa oferta cultural”.

Manoel Batista

 

A curiosa novidade da edição de 2023 é o Cortejo Histórico, no dia 12 de agosto, que pretende retratar a ocupação humana do território, designadamente cinco épocas que deixaram marcas históricas e que representam as raízes culturais do concelho: o Paleolítico, a Idade do Bronze, a Antiguidade Clássica (Romanização), a Idade Medieval e a Idade Contemporânea.

O FESTIVAL INTERNACIONAL DE FOLCLORE “O MUNDO A DANÇAR” marca o arranque do evento, no dia 4 de agosto, pelas 22 horas no Largo Hermenegildo Solheiro. Quatro grupos de folclore, de diferentes localidades – Argentina, Equador, Geórgia e Taiti – darão a conhecer a sua cultura através da dança.

Nos dias 5 e 6 de agosto celebra-se a cultura da transumância, uma tradição com 900 anos, durante o Dia do Brandeiro. O cortejo etnográfico, no sábado, pelas 12h30, sob o tema “A Transumância”, assume-se como o momento alto das festividades, mas serão muitos os momentos para se ouvir o relato do quotidiano da pastorícia e ainda momentos de animação musical com Laurance.

O Grupo Folclórico Amizades do Alto Minho de Messy, o Grupo Folclórico Etnográfico da Casa do Povo de Melgaço, danças e tradições de Castro Laboreiro e o grupo musical Cláudia Martins & Minhotos Marotos, prometem animar a Festa do Emigrante, no dia 8 de agosto.

O MERCADO MEDIEVAL volta ao centro histórico entre os dias 11 e 13 de agosto. O evento pretende promover o património histórico de Melgaço. O centro histórico, com o seu Castelo e as suas Igrejas medievais (Matriz e Misericórdia), assume-se como um local fulcral para a promoção deste Mercado, tornando-se palco de várias animações temáticas. Haverá ainda uma tenda para aluguer de trajes, convidando os visitantes a recuarem no tempo e a entrarem no espírito medieval.

Esta edição fica ainda marcada por vários concertos musicias que prometem deliciar todas as faixas etárias: Dj Wilson Honrado, no dia 11 de agosto; Toy, no 12; e Mike da Gaita e Cuca Roseta no dia 13 de agosto, dia em que encerram as festividades no centro da vila, com ESPETÁCULO PIROMUSICAL.

A antecipação da Festa do Emigrante, anteriormente já na segunda quinzena de Agosto, permite juntar mais comunidade que trabalha na diáspora.

“A partir do dia 15 de Agosto muitos dos emigrantes saem para fazerem uma semana de praia, visitar outros sítios, outros regressam mais cedo. Para realmente termos capacidade de juntar mais emigrantes, estar mais com eles, era importante antecipar”, justifica o edil de Melgaço, Manoel Batista.

Ainda sobre o Cortejo Historico, o autarca recorda que algo semelhante já foi feito “no âmbito da Festa da Cultura”, mas ressalva que a fonte temática do cortejo a apresentar no dia 12 de Agosto será histórico e não etnográfico.

“Ao pensarmos a estrutura do Melgaço em Festa para este ano, achamos que deveríamos ter um Cortejo Histórico. Pensamos num conjunto de temáticas no medieval e foram distribuídas as temáticas por freguesias. O conceito é envolver as Freguesias, criar um elemento inovador na festa e com isso um maior envolvimento da população de todo o município na nossa programação”, justificou.

Uma equipa da autarquia acompanhará o processo de trabalho que cada Freguesia trabalhará a partir das temáticas propostas. “O período histórico a considerar este ano é o medieval, o que não implicará mudar em próximos anos”, reforçou.

Sobre os espectáculos musicais das noites de 11, 12 e 13 de Agosto, o edil diz que se pretendeu “arranjar resposta para todas as faixas e gostos da população2.

“Na sexta-feira temos um DJ para a malta nova, consagrado no país. No sábado trazemos uma oferta musical mais popular, que é o Toy, e no domingo consagramos a noite a uma oferta mais clássica, sem deixar de ser culturalmente tradicional porque estamos a falar de fado, com uma artista consagrada, a Cuca Roseta”.

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigo Anterior

Decálogo para os jovens da Jornada Mundial da Juventude

Artigo Seguinte

O Hotel “Quinta do Peso”: Como tudo começou, em 1901…

Pode também ler

Eurodeputado visitou Sub-Região de Monção e Melgaço e ataca burocracia

“Uma burocracia que existe em termos das exportações e em pequenas coisas que nós nem vemos. Um exemplo simples: a certificação de uma balança. A Câmara de Melgaço certifica as balanças mais pequenas. A seguir, a partir de determinado peso, é a Câmara de Valença e, depois, ainda há um instituto nacional que faz a certificação de outros. Três entidades diferentes, quando uma única poderia fazer tudo”.
Avatar photo
Ler mais