FITAVALE: Os Simples apresentam “Jacqueline, a Fatalista” em ‘CASA’ no dia 31 de Maio

Avatar photo


Publicidade

Foto ilustrativa de cabeçalho: Momento da peça: “Presidente de Coisinha Nenhuma” (2022)

As Comédias do Minho celebram o seu 20º aniversário com um FITAVALE diferente.

Os grupos de teatro amador Os Simples (Melgaço), CTJV (Monção), +TAC (Paredes de Coura), Verdevejo (Valença) e Outra Cena (V.N. Cerveira) apresentam cinco espetáculos que refletem sobre a ideia de “CASA”, desde a folha em branco à ocupação de um espaço.

Pela primeira vez, e ao longo de cinco fins-de-semana, cada grupo estreia o seu espetáculo em ‘CASA’. No último dia, os grupos de teatro reúnem-se numa só CASA – o Centro Cultural de Paredes de Coura – para uma grande maratona onde todos apresentam o que construíram ao longo do ano. Serão cinco datas de apresentação, seguidas também por cinco festas públicas.

Os espetáculos foram criados e encenados pelos atores residentes das Comédias do Minho, que procuraram diferentes caminhos para refletir sobre a construção conjunta de um espaço de sonho, de pertença e de significado. Esta criação múltipla tem o nome de Esboço 2.0, porque é aqui que as Comédias do Minho começam a esboçar os contornos dos próximos 20 anos – com e para a comunidade do Vale do Minho. 

 A abertura do festival faz-se no dia 25 de maio (21h30), no recém-inaugurado Palco das Artes, em Vila Nova de Cerveira, com “Como se Não Houvesse Amanhã”. Tânia Almeida aborda a noção de comunidade através da desconfiança que se instala num bairro, entre vizinhos. O espetáculo do grupo ‘Outra Cena’ é uma adaptação do episódio “The Monsters are Due on Maple Street”, da série “The Twilight Zone”, de Rod Serling.

No dia 31 de maio (21h30), ‘Os Simples’ estreiam Jacqueline, a Fatalista”, na Casa da Cultura de Melgaço. É uma adaptação do texto “Jacques, o Fatalista, e o seu Amo”, de Denis Diderot. Rui Mendonça criou este espetáculo para refletir sobre o destino. A vida de cada um será traçada pelo grande arquiteto, ou será uma folha em branco? O espetáculo conta com uma segunda apresentação no dia 1 de junho (21h30), no mesmo local. 

O grupo de teatro amador do Cineteatro João Verde, de Monção, estreia em casa própria “A Porta, o Coração e a Alma Livre”, no dia 8 de junho (21h30). A criação original de Cheila Pereira é um espetáculo que cruza teatro e movimento para explorar o inconsciente, a identidade e o amadurecimento, através da metáfora da casa. A alma dança entre a escuridão da cave e a luz do sótão para descobrir-se como uma Casa Nova. 

Em Valença, o grupo de teatro ‘Verdevejo’, da Associação Cultural de Verdoejo, interpreta “1º Direito”. Sara Costa criou o espetáculo a partir do texto original de Sara S, que escreveu sobre as questões do direito à habitação. Se no passado era possível sonhar com uma casa ideal, hoje desejamos apenas ter um quarto para poder dormir e sonhar. O grupo estreia no espaço associativo do miradouro de S. Tomé, em Verdoejo, Valença, no dia 15 de junho (21h30).  

O encerramento do 14º Festival Itinerante de Teatro Amador do Vale do Minho faz-se no dia 29 de junho, no Centro Cultural de Paredes de Coura. A partir das 15h, inicia-se uma maratona teatral, com a repetição de todos os espetáculos apresentados e com uma estreia.

Em tom de celebração, o grupo ‘+ TAC Mais Teatro Amador Courense’ apresenta a criação de Luís Filipe Silva. Em “Trama” assistimos à construção conjunta de uma estrutura arquitetónica para refletir sobre os alicerces de uma comunidade. Portugal é uma casa de democracia há 50 anos e as Comédias do Minho são uma casa de teatro há 20 anos. Luís Filipe Silva e o ‘+ TAC’ quiseram assinalar o aniversário dessas duas edificações comunitárias no espetáculo de encerramento.     

Todos os espetáculos contam com música dos Space Ensemble, desenho de luz de Vasco Ferreira, cenografia de Cristóvão Neto e figurinos de Rafaela Amen.

Vila Nova de Cerveira, Melgaço, Monção, Valença e Paredes de Coura podem contar com algumas ocupações prévias do espaço público, em jeito de convite para o festival. Cada uma das cinco estreias, em cada concelho, será encerrada com uma festa, oferecida pelos grupos de teatro amador. 

Toda a programação é de entrada livre.

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigo Anterior

É tempo de tirar o pó aos Clássicos! CVAM intensifica programa e promove certificação do mítico Toyota Land Cruiser BJ45 dos Bombeiros

Artigo Seguinte

Allvaredo Music Fest: No Dia da Criança, os adultos também podem brincar

Pode também ler

“Contrabando de Letras”: José Velo (fundador do DRIL) recordado nos 50 anos da Biblioteca de Melgaço

José Velo Mosquera fundou o DRIL (Diretório Revolucionário Ibérico de Libertação) com um grupo de exilados espanhóis e portugueses. No início de 1961 dirigiu, juntamente com o galego Soutomaior e o português [Henrique] Galvão, o sequestro do transatlântico Santa Maria, uma ação que visava denunciar internacionalmente as duas ditaduras ibéricas.
Avatar photo
Ler mais