A renovada missão do Solar do Alvarinho é agora “mais digital”

Avatar photo
“O Solar é um sucesso desde a abertura e grande porta de entrada para o concelho, mas precisava, na era digital, de se atualizar também”


Publicidade

Em Agosto de 2022, o Solar do Alvarinho de Melgaço comemorou 25 anos e assinalou a data com um brinde onde participaram produtores, promotores e empresas e aproveitou para apresentar o projecto do que será o renovado Solar.

A reabilitação, com um investimento superior a 300 mil euros, enquadra-se na candidatura “Vinho Alvarinho na Rota do Turismo” e no âmbito do programa “Valorizar” do Turismo de Portugal. As instalações, a inaugurar em breve, aproximar-se-ão das necessidades de uma era mais digital e mais fluida na comunicação entre espaços.

“O Solar é um sucesso desde a abertura e grande porta de entrada para o concelho, mas precisava, na era digital, de se actualizar também”, notava o vice-presidente da Câmara Municipal de Melgaço, José Adriano Lima, à altura da cerimónia festiva que assinalou os 25 anos desde a abertura desta valência cultural do município.

“O Solar é um sucesso desde a abertura e grande porta de entrada para o concelho, mas precisava, na era digital, de se actualizar também”, notava o vice-presidente da Câmara Municipal de Melgaço, José Adriano Lima, à altura da cerimónia festiva que assinalou os 25 anos desde a abertura desta valência cultural do município.

A intervenção contemplou melhoria na acessibilidade para pessoas com mobilidade reduzida, e será “mais típico, característico e emblemático”.

“Manterá a lógica e a abertura que mantivemos até aqui. Serão cerca de 30 marcas, a que se somam o fumeiro, o mel e outros produtos inovadores que tem os produtos locais como base. É um espaço já conhecido e reconhecido por todos, não precisamos de estar a afirmar mais o que é. Já tem 25 anos, tem um percurso feito”, notou ainda o representante da autarquia, confiante na renovada missão do histórico edifício de Melgaço e do papel que desempenha na promoção do ex-libris da sub-região, na fase pós alargamento da DO Alvarinho a toda a região dos Vinhos Verdes.

“Não temos nenhum problema com isso. Obviamente que na altura não foi com satisfação que recebemos essa evolução, mas hoje está completamente ultrapassada. A nossa sub-região continua a crescer e estamos muito satisfeitos com o percurso que estamos a fazer”, considerou José Adriano Lima.

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigo Anterior

Igreja de Chaviães ganha classificação como monumento de interesse público

Artigo Seguinte

Barão do Hospital apresentou a Reserva que promete “trazer para dentro da garrafa o terroir” do Alvarinho

Pode também ler

O Lápis Azul da Nova Proibição

Apesar de décadas terem se passado desde o fim do Estado Novo, as marcas deixadas pelo Lápis Azul ainda podem ser sentidas no jornalismo do Alto-Minho. Embora não haja mais censores a riscar palavras com tinta, seja qual cor seja, a censura persiste das formas mais subtis e insidiosas. Os jornalistas enfrentam pressões e ameaças para não reportar certas histórias, não investigar certos assuntos e não criticar certos poderes estabelecidos.
Ler mais