Vinhos Dona Paterna galardoados com prata no Sommeliers Choice Awards (EUA)

Avatar photo
A marca de vinhos de Melgaço Dona Paterna foi galardoada com duas medalhas de prata na quinta edição do concurso Sommeliers Choice Awards, em San Francisco, nos EUA.


Publicidade

100% Alvarinho Dona Paterna 2022 e Alvarinho Trajadura 2022 arrecadaram 89 pontos

A marca de vinhos de Melgaço Dona Paterna foi galardoada com duas medalhas de prata na quinta edição do concurso Sommeliers Choice Awards, em San Francisco, nos EUA. Os vinhos premiados, na categoria de vinho branco, foram o Alvarinho Dona Paterna 2022 e o Alvarinho Trajadura Dona Paterna 2022, com 89 pontos cada um, ambos produzidos na sub-região de Monção e Melgaço, a origem do alvarinho.

A concurso estavam mais de 1200 vinhos de vários cantos do mundo, sendo avaliados por sommeliers, diretores de vinhos e especialistas da área em cinco categorias: harmonização, tipicidade, qualidade, valor e embalagem.

«Ver os nossos produtos serem reconhecidos é uma enorme satisfação. É o resultado de todo o trabalho que a nossa equipa tem feito, que se move pelo objetivo de oferecer vinhos com qualidade, que correspondam, ou superem, as expectativas do consumidor”.

Carlos Codesso, produtor da Dona Paterna

A PAIXÃO PELA VINHA LEVOU À CRIAÇÃO DA MARCA DONA PATERNA EM 1990

Localizada numa das mais importantes sub-regiões da Região Demarcada dos Vinhos Verdes, a sub-região de Monção e Melgaço, a adega Dona Paterna situa-se, concretamente, no município mais a norte de Portugal, Melgaço, na Quinta da Carvalheira, no centro da freguesia de Paderne, uma região fortemente marcada pela cultura da vinha, nomeadamente da casta alvarinho, uma das castas brancas mais ilustres e considerada, por muitos, a melhor casta branca enxertada nas vinhas portuguesas.

O alvarinho Dona Paterna nasceu da paixão de Carlos Codesso que, inspirado pelo seu pai, Manuel Francisco Codesso, desde muito novo se interessou pela viticultura. Obstinado e incentivado pelo progenitor, em 1974, iniciou as primeiras plantações de alvarinho. O acumular de experiência, o contacto com a vinha, o cultivo de videiras, o explorar e conhecer o terroir e, por fim, a experiência na vinificação, foi a pedra-base para a criação, em 1990, da marca de vinho Dona Paterna.

«Foram das primeiras vinhas contínuas de alvarinho em Melgaço. Comecei a produzir vinho, como lavrador, na altura nas designadas adegas de garagem, e a participar em concursos de vinho, recebendo algumas distinções. Em 1990 decidi criar a marca Dona Paterna”, conta Carlos Codesso.

Carlos Codesso na rubrica “História de Vidas”
a “segunda marca” registada de Alvarinho em Melgaço

Excerto de entrevista ao Diário do Minho, publicada no dia 21 de Abril de 2001, onde Carlos Codesso falava da diferença de investimentos feitos ao longo da década de 90 do século XX e referia a marca Dona Paterna como a segunda marca de Melgaço a ser registada [Soalheiro foi a primeira] e a oitava marca da sub-região de Monção e Melgaço.

DR/Arquivo VM

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigo Anterior

Isabel Ferreira inaugura Trilho do Mouro e Zona de Lazer das Veigas no dia 23 de Julho

Artigo Seguinte

Marchas de São João: Há fidalguia, ouro e paixão no desfile de Melgaço

Pode também ler

Estradas Nacionais 101 e 202 “estão esgotadas, o que nos favorece é que, atravessando a ponte do Peso, estamos a dez minutos da A52”

"Para aquilo que estamos a fazer do ponto de vista industrial em Melgaço e que está a ser preparado também em Monção, aquilo que é o nosso fluxo de trânsito via turismo e temos mais gente a chegar cá (...) esta estrada está completamente esgotada. É uma Estrada Municipal, já não é uma Estrada Nacional".
Avatar photo
Ler mais

Alta Tensão: Trabalhos de instalação do troço “Ponte de Lima-Fontefría” a 400kV iniciam no 2º semestre de 2024

Aos proprietários de terrenos que se encontrem na área de passagem (e se segurança) da LAT, o aviso da DGEG esclarece que “poderão acompanhar os trabalhos e poderão proceder a remoção do material lenhoso com valor comercial resultante das ações de criação da zona de proteção, até 15 dias após a intervenção”, sendo que, findo este prazo, o material resultante será “estilhado no local ou removido e encaminhado para locais próprios”.
Avatar photo
Ler mais